• Você está em:
Wevet | Conexão com o mundo animal

Sequestro Corneal

SEQUESTRO CORNEAL

É uma doença que afeta os gatos, conferindo uma área da córnea necrótica ulcerada, caracterizada clinicamente pela evolução gradual de um escurecimento (âmbar, castanho ou negro) em geral envolvendo a córnea central. É comum ulceração corneana anterior, e geralmente crônica, porém nem sempre é relatada. Frequentemente, vasos sanguíneos se estendem até a lesão, profundos ou superficiais, dependendo da profundidade do sequestro. O estroma corneano necrótico pode estar circundado com edema e/ou infiltração de células inflamatórias. O gato com frequência se mostra com dor no olho, porém alguns apresentam apenas pequenos sinais de desconforto.
O aspecto clínico característico é considerado diagnostico, contudo, os diagnósticos diferenciais devem incluir, corpo estranho na córnea, dermóide, sinéquia anterior, estafilioma ou melanoma do limbo.
O herpes-vírus felino está envolvido em cerca de 50% dos casos. Outras irritações corneanas crônicas, como entrópio, distiquíase, deficiência do filme lacrimal e lagoftalmia também parecem predispor à formação do sequestro corneal. Isso pode explicar a predisposição algumas raças como persas, himalaia e siamês.
A identificação e a correção de quaisquer etiologias subjacentes são importantes sempre que possível.
A ceratectomia lamelar com um enxerto corneano ou conjuntival deslizante é o tratamento de escolha, especialmente se o gato parecer sentir dor ou se a lesão for profunda ou crônica. Infelizmente, cerca de 33% dos casos mostram recorrência. Em geral, não se recomenda a conduta clínica por causa do potencial de perfuração corneana e do grau de desconforto que costuma ocorrer. No entanto, se o gato demonstrar conforto, poderá ser tentado, pois é possível que os sequestros se desprendam espontaneamente ao longo de um período de semanas a meses.
A conduta clínica envolve antibióticos tópicos profiláticos, como os usados na ulceração corneana e no tratamento de uveíte reflexa, se for algo evidente. Muitos recomendam o uso de medicações antivirais e formulações para reposição de lagrima mucinomiméticos, porque a qualidade do filme lacrimal alterada ou evaporação ou ambas foram apontadas como causadoras. Os procedimentos como blefaroplastia para reduzir exposição e irritação da córnea, e como correção do entrópio devem ser considerados para evitar recorrência.

Matéria por

  • Elisângela Kerber

    Clínica Veterinária, Cirurgia Veterinária, Anestesiologia
    CRM | 14.914
    São José do Rio Preto / São Paulo
    (17) 3233-6223 | (17) 99201-2021

Subir